Buscar
  • Iara

viajantes em meus azuis

Deserto em mim,

Dos tons de laranja secos, alternados por azuis de toda sorte.

Celestes escaldam meus pensamentos,

Que passam como os ventos removendo as areias dos meus pés.

Meus lábios secos e paladar sedento pelo gosto da água,

Que parece ser vida, ainda que miragem,

Entoam meu cântico confuso

Pela paisagem movediça que me tira o norte.

Viajantes rasgam trilhas, logo apagadas.

Pousam em suas fogueiras permitidas,

Aquecendo seus corpos do frio dos azuis marinhos.

Contemplam entre os chás o silêncio das minhas luas

Junto às estrelas de azuis prateados,

Que ao findar da noite se esvaem na cor que se transforma

Um azul já bonina pela chegada da luz daquele que tudo apaga,

Um novo dia.

41 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiquilibrav

(Inspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam um e

Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras na coz