Buscar
  • Iara

viajantes em meus azuis

Deserto em mim,

Dos tons de laranja secos, alternados por azuis de toda sorte.

Celestes escaldam meus pensamentos,

Que passam como os ventos removendo as areias dos meus pés.

Meus lábios secos e paladar sedento pelo gosto da água,

Que parece ser vida, ainda que miragem,

Entoam meu cântico confuso

Pela paisagem movediça que me tira o norte.

Viajantes rasgam trilhas, logo apagadas.

Pousam em suas fogueiras permitidas,

Aquecendo seus corpos do frio dos azuis marinhos.

Contemplam entre os chás o silêncio das minhas luas

Junto às estrelas de azuis prateados,

Que ao findar da noite se esvaem na cor que se transforma

Um azul já bonina pela chegada da luz daquele que tudo apaga,

Um novo dia.

31 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg