Buscar
  • Iara

totomayo

E na colina Totomayo se via

Pele clara, cabelos longos e escuros

Pelo pente em parte seguros

Acalmando fios insistia

Alternados por brisa morna

Ora em face, ora em ombros.

Sobre o colo envolto em quimono

Pousava colar em pérolas

Rosadas de entardecer.

Doado então se rompia

Contas ao solo despercebia

O displicente ou desumano

Se virava e plano seguia.

Mas foi somente noutro dia

Colorida pelos vitrais da sacada

Totomayo o desamor conhecia

E no empurrar daqueles braços

Seu corpo por fim sucumbia.

No caminho solitário da queda

Ainda segura pela brisa amiga

Totomayo imaginava

Que ao fim, tocando o chão

Jamais se doar voltaria

A quem nunca saberia

Se entregar numa paixão.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiquilibrav

(Inspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam um e

Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras na coz