Buscar
  • Iara

totomayo

E na colina Totomayo se via

Pele clara, cabelos longos e escuros

Pelo pente em parte seguros

Acalmando fios insistia

Alternados por brisa morna

Ora em face, ora em ombros.

Sobre o colo envolto em quimono

Pousava colar em pérolas

Rosadas de entardecer.

Doado então se rompia

Contas ao solo despercebia

O displicente ou desumano

Se virava e plano seguia.

Mas foi somente noutro dia

Colorida pelos vitrais da sacada

Totomayo o desamor conhecia

E no empurrar daqueles braços

Seu corpo por fim sucumbia.

No caminho solitário da queda

Ainda segura pela brisa amiga

Totomayo imaginava

Que ao fim, tocando o chão

Jamais se doar voltaria

A quem nunca saberia

Se entregar numa paixão.

3 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg