top of page
Buscar
  • Foto do escritorIara

sete mortes e mais uma

JAZ I

Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira.

Ao encontra-lo, viu-se incapaz.

JAZ II

A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer.

Foi quando julgou que sabia demais.

JAZ III

Uma vida de amor já não lhe aprazia.

Calou-se.

A morte pedira silêncio.

JAZ IV

Seu passado de guerras perdidas pisoteara seus jardins.

Restou-lhe o asfalto da estrada.

JAZ V

Secretamente desejara pelo colo que lhe afirmasse que o vazio faria algum tipo de sentido.

Não havia ninguém ao lado.

JAZ VI

Confuso pela saudade, perdeu-se entre a falta e o medo.

JAZ VII

O mar empenhara-se em levar seu bilhete ao alcance dos pescadores.

No silêncio, jogou-se.

Não percebera que a correnteza levava à ilha dos cegos.

JAZ VIII

Ofereceu-lhe a tesoura.

Hora de cortar as cordas.

Preferiu cortar os pulsos.

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

más companhias

(um conto esquisito) Sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Desiquil

a quebra do ovo de nuremberg

(conto ficcional iinpirado em um ser humano real) Acordou com a sensação de que algo seria diferente, sem saber se bom ou ruim. Parecia mais um incômodo. Coisa chata. Naquela altura da vida, as mudan

que te vaya, bonito

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de choro seco que aperta o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras

Opmerkingen


bottom of page