Buscar
  • Iara

o peixe suicida

Dia de vida comum, naves lançadas ao mar

De pescadores impiedosos, outros apenas famintos

E abraços de redes indiferentes, véus que arrastam vidas

Numa fumaça cinza e confusa

De areia, sal e água

Conchas fechadas, conchas abertas

Pérolas perdidas

Sereias descabeladas

Escamas desparelhadas

Cardumes descoloridos

Peixes grandes, os cobiçados

Fecham saídas com seus corpos inertes e olhos parados

Peixes pequenos, desafortunados, presos nesse emaranhado

Sem perceber são levados junto a corpos indefinidos,

Uns rígidos, frios, outros tenros e ainda agonizantes,

Estranhos e irreconhecíveis, ali jaz algo na praia

E do mar a vê-los perplexo

O peixe suicida

Que na rede por vezes entrara e saíra

Aguarda por novo abraço

Sem de fato saber o porquê

Talvez pelo costume ao perigo, ou o amor ao sofrer

Talvez pela simples natureza de suas escamas,

Talvez pela vergonha do seu colorido enquanto fora,

Talvez pelo medo de não haver colorido algum...


55 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg