Buscar
  • Iara

o pai, a filha

Te ver assim, não sei ao certo...

Mas minhas lágrimas acompanham as suas

Pelo privilégio em melodias e notas

Na matemática dos eruditos

Pelo que é profundo e denso

Em sentimentos por extenso

Por linhas...linha pura?

Por contornos, seus traços

Suas cores, os claros, os escuros

Nessa tela infinita repleta de vidas e mortes

E sombras e nadas

Que trafegam em paralelas

Desencontram em perpendiculares

Carregam escudos, bandeiras e máscaras

Dançam seios, quadris e nuvens

Braços, cabeças e vozes

E o que em mim faz-se seu?

Sua semelhança

Onde me acho, onde me perco?

Me ver assim, não sei ao certo...

Mas minhas lágrimas...

Minhas lágrimas acompanham as suas.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(conto) Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiq

(conto nspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compra