top of page
Buscar
  • Foto do escritorIara

melindrosas ou melindrantes?


Buscou-me a pergunta lá no fundo:

Entre as mulheres, onde estaria?

Ledo engando um homem cometeria

Insistindo em definição para lhe acalmar o mundo.

Nada disso me define - sai o grito do meu peito -

Das poucas coisas que sei sobre mim mesma

Resta o desejo de ser livre de qualquer conceito.

Olhar minha face frente ao espelho

Sem as máscaras que me caem ou encaixam,

Ainda que eu as tenha como roupagem,

Salva minha pele dessa indelével tatuagem.

Ocorre que essa minha liberdade,

Um dia desses, largou-me à margem.

E me vi só em seu desapontamento

Virou-se, como se eu nada fosse.

Lamento as buscas desencaixadas,

Impediram nosso encontro ora provável.

Nessa caminhada por nós mesmos

Deparamos com o outro nada afável.

Reagindo em contrariedade

Afastamos a imagem, a voz, a possibilidade.

Numa tentativa de proteção ou sobrevivência,

Delego-te o passado de meus escritos.

E rasgando seu papel em minha carência,

Suponho que findei com nosso atrito.

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

más companhias

(um conto esquisito) Sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Desiquil

a quebra do ovo de nuremberg

(conto ficcional iinpirado em um ser humano real) Acordou com a sensação de que algo seria diferente, sem saber se bom ou ruim. Parecia mais um incômodo. Coisa chata. Naquela altura da vida, as mudan

que te vaya, bonito

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de choro seco que aperta o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras

Comments


bottom of page