Buscar
  • Iara

das cores proibidas e energias libertantes

Sua face em meus ouvidos...


Em minhas mãos o que ouço tem as cores do que quero,

Ainda que me alertem sobre aquelas que me são proibidas


Em meus pensamentos me largo na fluidez que se apresenta,

Ainda que ressinta as marcas de meus suicídios


Em meus olhos fechados o desejo das folhas em branco,

Ainda que meu peito recorra aflito aos escritos publicados


Temo a mim mesma quando passo os dias sorrindo.

O temor aos que parecem viver vidas em fragmentos,

Retalhos que costuram incessantes para que possam fazer sentido

E assim vivem...


Temo a mim mesma quando passo os dias chorando.

O temor aos que parecem se alimentar de poemas,

Arranjos que registram delirantes para que possam sentir vida

E assim escrevem...


Temo a mim mesma quando passo os dias buscando.

O temor aos que parecem não se exaurir em chamados,

Ações que preenchem confortantes para que possam negar o vazio

E assim procuram...


Procuro-te em meus escritos, e vivo-te em minha liberdade, cor proibida...


9 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg