top of page
Buscar
  • Foto do escritorIara

oração

Que eu possa contar com minhas mãos...

Peço às mãos que limpem toda poeira

Que se assenta em meus braços, pernas, estômago

De grãos que invadem meus pulmões reagindo em tosse seca

Apertam minha voz em choro mudo


Afasta de mim essa poeira tóxica

Poeira dos canos de descarga

Poeira urbana, poeira humana, cotidiana...


Que eu possa contar com a chuva...

E peço à chuva para que essa me ajude

Que lave meu corpo, lave minha alma

Limpa meus poros em água corrente

Permita respirar minha pele exposta


Afasta de mim essa poeira tóxica

Poeira dos canos de descarga

Poeira urbana, poeira humana, cotidiana...


Que eu possa contar com o sol...

E peço ao sol para que esse me ajude

Que aqueça meus pelos, aqueça meu peito

Irradia a verdade em luz transparente

Permita o olhar de cristalina córnea


Afasta de mim essa poeira tóxica

Poeira dos canos de descarga

Poeira urbana, poeira humana, cotidiana...

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

más companhias

(um conto esquisito) Sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Desiquil

a quebra do ovo de nuremberg

(conto ficcional iinpirado em um ser humano real) Acordou com a sensação de que algo seria diferente, sem saber se bom ou ruim. Parecia mais um incômodo. Coisa chata. Naquela altura da vida, as mudan

que te vaya, bonito

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de choro seco que aperta o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras

Comments


bottom of page