Buscar
  • Iara

o conto de penélope

Venha, Penélope, fica e conta-me,

O que de fato tanto esperava?

O retorno do mito escolhido...talvez diria..

Ou em verdade revelaria que do real pela morte aguardava

Eu bem lhe vi...e ainda vejo

Que por detrás de interminável manto, à luz, os nós você tecia,

Mas entre linhas e em reservado canto, a sós, tais nós você desfazia.


Venha, Penélope, fica e conta-me,

Revela a mim o que tanto temia!

Decerto o futuro que incerto mas ao certo viria...

Quem sabe o presente que insistente lhe traz outra companhia

Eu bem lhe vi...e ainda vejo

Que foi com despercebido ardil ao pai sua vida ofertava,

Ignorando medos em tom pueril, desafio aos tolos você jogava.


Venha, Penélope, fica e conta-me,

Fala por fim o que mesmo sentiu

Ao deparar com tal sorte de uma vida que lhe impôs falsa morte

E quando Ulisses enfim retornou e seus tormentos em você despejou

Eu bem lhe vi...e ainda vejo

Que foi com infinito amor que ao homem novamente entregou

Seus dias de riso e pranto, seu corpo, sua alma, seus laços em manto.

8 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg