Buscar
  • Iara

nem monroe, nem macabéa

E então Clarice,

Onde estaria o esperma que deveria me encher o futuro?

Olho ao lado e nada vejo

Olho abaixo, no ventre, apenas vácuo

Atravesso a rua, o carro não passa

Vida que não se transforma

Mão no peito que se enche do ar

Fluido fugaz que já me escapa

Esperança que não se apresenta

Ainda que paga em trocados

À mulher que me tira as cartas

Vida que se desfaz do que jamais seria

Mesmo quando o pai lhe repetia...rainha das águas

De Monroe a Macabéa

Estrela de sina em desgraça

De um aborto espontâneo seu futuro morreu cedo

Ainda assim vida plena e farta

Jardim de flor que te fez astro

A estrela de Clarice de história escrita

Perpétua e bela,

Invejo-te.

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(conto) Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiq

(conto nspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compra