top of page
Buscar
  • Foto do escritorIara

más companhias

(um conto esquisito)


Sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Desiquilibrava-se toda vez que tentavam lhe tirar o prumo. Em seus pulmões parecia não restar mais nada. Ansiou pelo ar, mas foi o passado que apareceu. Não se lembrava ao certo em que dia resolveram se juntar, mas perdera a conta de quantas vezes tentara largá-la. Procurou as terapias e os conselhos, que até se importavam, mas a ajuda parecia ser inexistente. A companheira era mais forte que ele. Por diversas vezes pensou que o divórcio seria sua única alternativa, mas então vinha a morte para lembrá-lo que estava à espreita. Entre tantos conflitos estava sempre a companheira. Se escondia nos lugares mais inusitados, mas o preferido era mesmo a caixa das cartas nunca enviadas. Ali se fazia presente em cada endereço, cada palavra, cada fotografia daquilo que poderia ter sido mas nunca fora. Astuta e vaidosa, trocava as roupagens a cada novo evento, sem deixar que se ele acostumasse a ponto de não se incomodar mais. Fora tantas vezes ruiva, quanto loira e morena. Na prosa com o passado, lembrou-se de quando a levara para um bar. Não entendia bem porquê, mas os bares o ajudavam a se esquecer de quem era, e isso era bom. Sentados lado a lado, ele viu o ignorado escolher músicas que lhe soavam familiares. A companheira se levantou e caminhou para não se sabe onde. Respirando enfim com o alivio e a paz que lhe eram tão raros, ele olhou pela janela. Ali, no pequeno jardim rodeado pelo muro marrom, o mato crescia despercebido pelos transeuntes e olhares desinteressados. No alto, o luar se confundia com a luz incandescente, que parecia lhe mostrar os contornos da presença sempre incômoda. Desejou ser vegetação. O momento faz-de-conta foi interrompido pelo inconveniente que lhe perguntou se queria algo mais. Ao lado dele, em pé e soberana, estava a companheira que retornara. Com isso, foram-se o alívio e a paz. No olhar, o desânimo balbuciou: — Você de novo? Porque não lhe diz? A companheira apenas o fitou com olhos de quem ri com o sarcasmo. Ele agiu como sempre agira quando queria se livrar dela: —Traga qualquer coisa. E como aqueles que vêm para salvar, chegou a distração. Ele se virou para o salão de corpos presentes. Entre esses viu a desconhecida que dançava com o parceiro. Quando esse a deixou com a ausência, a esperança apareceu. A desconhecida então brilhou. Seu corpo ficou envolto por uma luz forte e extraordinária. O pequeno minuto insistia em ser infinito, imaginando-se suficiente e capaz de leva-la até ele. Com a dificuldade, conseguiu. Ansiando também por ele, o desconhecido, ela mal se reconhecera ao propor a troca frenética de confidências para preencher o espaço que estava vazio. Ali, entre os dois, a aflição os lembrava que esse minuto não traria tantas palavras que lhes justificassem o encontro com o futuro. Foi-se o minuto. A companheira e o parceiro então se aproximaram. O momento os lembrou de que sequer sabiam seus nomes. A educação, que os observava atentamente, sugeriu que se apresentassem. Ele, ora desconhecido, então lhe diz: — Eu sou o sofrimento, e esta é a dúvida, minha persistente companheira. Ela, ora desconhecida, corresponde: — Eu sou a covardia, e este é o medo, meu eterno parceiro. A oportunidade, testemunhando o não encontro, entende que o destino não estava disposto naquele dia, e então se retira. E todos assim também o fazem. A covardia, embora desejasse ser a coragem, se vai com o seu medo. O sofrimento, sem saber se poderia ser o amor, fica apenas com sua dúvida.








14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

a quebra do ovo de nuremberg

(conto ficcional iinpirado em um ser humano real) Acordou com a sensação de que algo seria diferente, sem saber se bom ou ruim. Parecia mais um incômodo. Coisa chata. Naquela altura da vida, as mudan

que te vaya, bonito

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de choro seco que aperta o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras

ser em vinil

(conto inspirado em uma foto de um sobrado português) Divagava pela janela quando o juiz lhe solicitara a atenção pela segunda vez. A seu lado, Augusto movimentava a cabeça num gesto positivo. Ao que

Comentários


bottom of page