Buscar
  • Iara

bipolaridade em paletas coloridas

Hoje te amo

Ontem você não existia

Amanhã não sei ao certo

Da noite pelo dia

De manto a descoberto

Olho a esquerda, viro a direita

Mantenho o centro, subo descendo

Acalmo seu ânimo

Rogo-lhe um malquerer

Da euforia ao desânimo

Falo verdades sem do fato saber

Crio frases de amor

Em textos repletos de dor

Trago espinhos com formato da flor

Em vasos de água parada

Colhidas do rio corrente

Mato sua sede

Te confino ao deserto

Rezo a você de forma indecente

Tirando-lhe a roupa

Mostro-me ausente

Deixando-lhe os cinzas

Cubro seu corpo de cores

De uma paleta insossa

Rica em sabores

Em meio ao conceito

A dúvida lhe ofereço

E do sonho desfeito

Trago vida em recomeço

Não lhe permito o sono

E ainda em meu leito

Digo sai do meu peito

Mas fica comigo

Se perto lhe abandono

Se longe aprisiono

Melhor manter-se o amigo...

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiquilibrav

(Inspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam um e

Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compras na coz