Buscar
  • Iara

as mentiras em meus monólogos

De meus dedos saem verbos para mim mesma

Ecoam no quarto vazio a mentira que preciso

Violam experiências

Desenham imagens futuras

De grafite espesso em papéis de seda frágeis

Justificam quereres

Abominam verdades

Como trapaças jogadas em vida

Perpetuam-se máscaras,

Figuras em espelhos curvos

Escondem-se fraquezas,

Turvas conveniências.

Porém basta-me a presença

Ora ausente nesses monólogos

Calam-se os verbos diminutos

E ouvintes perplexos testemunham

Que a falácia revelada

Em verdade não se imuta

Apenas recua em silêncio

E em meus lábios se oculta.

r

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(conto) Certa vez sentiu o peito chegar às costas, tamanha força que a companheira fazia para lhe prensar contra a parede. Suas discussões se tornavam cada vez mais nocivas, mais sentidas. Ela o desiq

(conto nspirado em um ser humano real) Acordou naquele dia com a sensação de que algo seria diferente, sentiu um desconforto chato. Naquela altura de sua vida, as mudanças, ainda que pequenas, exigiam

(conto) Naquele final de tarde chuvoso, chegou em casa com o desconforto de um choro seco apertando o peito. Sempre fora sensível aos dias molhados e melancólicos do agosto em Pueblo. Deixou as compra