Buscar
  • Iara

as mentiras em meus monólogos

De meus dedos saem verbos para mim mesma

Ecoam no quarto vazio a mentira que preciso

Violam experiências

Desenham imagens futuras

De grafite espesso em papéis de seda frágeis

Justificam quereres

Abominam verdades

Como trapaças jogadas em vida

Perpetuam-se máscaras,

Figuras em espelhos curvos

Escondem-se fraquezas,

Turvas conveniências.

Porém basta-me a presença

Ora ausente nesses monólogos

Calam-se os verbos diminutos

E ouvintes perplexos testemunham

Que a falácia revelada

Em verdade não se imuta

Apenas recua em silêncio

E em meus lábios se oculta.

r

6 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

poema para não ser esquecido

Ao abrir de seus olhos a cada próxima manhã Percebendo a presença pelo calor desse meu corpo Ainda morno por noites passadas Pensa que meu coração não é capaz de aquietar-se E não há espaço em viver s

sete mortes e mais uma

JAZ I Observador, relatara sobre o amor que nunca sentira. Ao encontra-lo, viu-se incapaz. JAZ II A vida, mulher carente, não deixara que aprendesse tudo, estando sempre em seu querer. Foi quando julg